Tino Freitas,Thais Beltrame, desculpe m-nos pelo incômodo, por roubar alguns minutos do tempo de vocês. 

Eu e minha filha ( A menina do Baú Vermelho) vamos contar como "Leila" entrou em nossa vida. 

Fiz a primeira leitura no final de uma tarde. "Leila" ficou em meu pensamentos até a hora de dormir. Antes de cair no sono, porém, sugeri a leitura à mãe da menina do Baú Vermelho. E ela ficou impressionada com a narrativa, as ilustrações. 

Na tarde seguinte foi a vez de indicar o livro para a Cecília, a responsável por essa tag, no meu blog. E de longe, podemos confessar para vocês que há tempos um livro infantojuvenil não provocava tantas reflexões em família.

Nessas conversas , Cecília identificou frases das campanhas do último Carnaval da nossa cidade ( só lendo o livro para saber quais) e comentou a poluição dos mares (volte sempre).

Tino? Thais? Vocês ainda estão aí? 

Sugerimos que a menina prestasse mais atenção nos tons e cores, ao longo da enredo. 

E ela captou, nesse ritmo, a solidão de "Leila" e depois vibrou com a força dos outros animais na luta, no combate ao Barão. "Que nojo. Ele dá gastura na gente!". Tudo isso sem discutir a temática central da obra.

Sem rodeios, falamos sobre o abuso sexual. 

Agora, vira e mexe, assim do nada, a menina do Baú Vermelho comenta trechos da obra: o corte de cabelo, o tamanho dos personagens, o limite ... o respeito. 

Nosso desejo é que "Leila" chegue ao maior número de pessoas; que seja também o assunto de muitas famílias; que protagonize a lista de adoções nas escolas deste País; que ganhe todos os prêmios e títulos.

"Leila" é a vez, a voz, a força da Literatura para todas as idades. É a poética da urgência...

Nossos parabéns:
Tino Freitas, pela coragem, "Teimosia e Esperança"!
Thais Beltrame, pelos traços, tons e cores na busca por justiça e liberdade!

Um grande abraço,
A menina do Baú Vermelho
e o Sr. Farelo 
"Quatro patinhas no muro" veio ao mundo numa linda manhã de sábado, ainda no outono.

Era o dia do aniversário do ilustrador Walter Lara. A loja da Paulinas, na Avenida Afonso Pena, estava em festa: lançamento do décimo livro de Elizete Lisboa!

" Quatro patinhas no muro" conta a história de Lualva, uma criaturinha muito trabalho a, dessas que nos encanta de primeira. 

Lualva é uma vira-lata engraçada, com uma energia daquelas, que deseja subir em tudo, roer um monte móveis.

Lualva é uma cachorrinha levada!

Depois de muito aprontar, Lualva vai enfrentar um grande desafio. Qual? Isso nós não podemos contar.

Cecília, A menina do Baú Vermelho, disse que contar o final não é nada legal ... Legal mesmo vai ser você pegar esse maravilhoso livro e ler a história todinha...

Um grande abraço, 
Menina do Baú Vermelho
Sr. Farelo







Em tempos de crises e momentos ruins, a arte sempre foi fundamental na vida da sociedade e isso não é diferente no mundo literário. Em “O circo mecânico Tresauti” de Genevieve Valentine, o mundo sofre um período intenso, onde cidades e vidas foram dizimadas por uma guerra fervorosa. Na tentativa de minimizar esse cenário surge “O circo Tresauti”, comandado por Boss, que viaja constantemente e por vezes foge do governo. O livro é narrado em várias vozes, e dessa forma podemos ter a visão de muitos personagens.

Inicialmente, temos uma apresentação da história e da narrativa de cada personagem, mostrando a importância que o circo teve na vida de cada um, que sempre foram vistos como os desajustados da sociedade. Com isso, sempre voltamos ao passado de cada um e, aos poucos, conhecemos e nos apegamos aos artistas.

No desenrolar do livro, conhecemos a história do par de asas que está presente na sala de Boss e porque cada personagem gostaria de tê-la. Tudo isso leva o enredo ao sequestro repentino da líder, o que desestabiliza todo aquele lugar.
A história é cercada de pontos importantes e críticos, que servem não só para entreter, mas para que o leitor observe através da distopia um pouco do nosso mundo e dos nossos problemas. Além disso, a obra foi publicada em 2016 e reflete nossos principais dilemas internos contemporâneos.

“O circo mecânico Tresauti” é uma ótima opção para as férias e finais de semana, pois é um livro com uma leitura rápida, que faz com que não nos dê vontade de parar de ler. Sem contar, com a arte feita pela conhecida “DarkSide” que já nos deixa a intenção de querer comprar o livro na primeira ida à livraria.

Farelo de Quiat e Libério Neves na Editora Lê
         Libério Neves trocou correspondências com Affonso Ávila, Carlos Drummond de Andrade, Dantas Motta, Henriqueta Lisboa, José Paulo Paes, Oswaldo França Júnior e Silviano Santiago. Um time de escritores para o mundo inteiro aplaudir. Ao se referir aos seus três poetas prediletos, ele declamou os versos abaixo:

“A HORA QUE
O DRUMMOND JOGA
A CASCA DA BANANA
F         O             R         A
O CABRAL CATA
E FAZ UM POEMA
S           O         B            R       E
A CASCA DA BANANA”
Sentados na sala da Editora Lê, eu ouvia encantado a experiência do senhor Libério. A sua “música verbal” é sedutora por demais. Muitas imagens vinham à minha mente. Séculos e séculos da boa literatura naqueles poucos minutos. Fiquei mais menino, mais leve, tocado pelas palavras do mestre. Confesso que, às vezes, eu mexia no sofá para me certificar se tudo aquilo era de verdade.
Sabe as histórias que a gente ouve de um Drummond com Mário, de uma Clarice com um Lúcio Cardoso? Eu estava ali, no meio de um monte de relatos, com o principal representante do Concretismo em Minas, com o poeta que conviveu com Murilo Rubião e Emílio Moura. Ao lado de um artista que acredita “mais em motivação”. Numa entrevista ao jornalista João Pombo Barile, Libério Neves disse:
“Imagina. Um dia você acorda e diz: hoje estou inspirado, vou escrever um poema. Mas sobre o quê, o que vai te motivar a escrever? Inspirado em quê? A inspiração existe, mas motivação a dirige”.  (BARILE, João Pombo. Suplemento Literário de Minas Gerais, 2010, p.7)
         Nessa “linha de poesia mais sintética, mais descarnada, mais despojada da gordura de adjetivos e coisas assim”, Libério Neves me contou que a composição do livro “Voa, palavra” surgiu a partir de vários passeios ao zoológico de Belo Horizonte, das visitas aos pássaros que realizava com uma de suas filhas.
Na hora do café servido pela equipe da Editora, com direito as maravilhas de Minas, descobri o outro lado do poeta. O danado, com todo respeito, é muito bom de anedotas. Tinha uma história, um causo para cada assunto. Um astral elevadíssimo. Não tinha como não sorrir. O meu sorriso era assim meio abobado, sabe? Talvez porque o encontro estivesse chegando ao fim.
Abraçamos-nos. Um abraço forte, daquele de vovô, bem apertado. Desci a Rua Januária .........leve, carregando dois livros autografados e com uma enorme alegria. Muito obrigado, Clarisse Bruno, Carminha, Alencar, Everson e todos os funcionários da Lê que promoveram esse inesquecível encontro. Libério Neves, muito obrigado pela prosa e muito sucesso nesse rico universo de prosa e verso.
Receber uma obra com a dedicatória/autógrafo do escritor é uma experiência que me enche de alegria. Eis uma das felicidades no universo da literatura!
Nessa semana recebi A neta de Anita. Assim que o carteiro deixou o envelope, Cecília ficou curiosa.

– É um livro que ganhei, filha.

– Posso abrir? Quando você vai ler? Será que é um livro de poemas?

– Vamos com calma. No momento estou muito apertado com as provas pra corrigir. (Coisas da vida de professor ...rs) 

– Mas, pai, não custa nada você parar um pouquinho e...

– Amanhã à tarde, depois do colégio, você abre o envelope. Eu leio o livro em voz alta. O que acha?

E foi assim que aconteceu.

A garota do Baú Vermelho ficou tão encantada com a história que saiu da cadeira para dividir o assento no sofá, quase no meu colo. Fez questão de percorrer  as páginas, encantando-se ora com a protagonista,  ora com as ilustrações. Mergulhamos na narrativa.

Para o escritor Anderson de Oliveira, confesso que a maior alegria de um professor de Literatura foi quando, assim do nada, de modo espontâneo, a Cecília disse:

– Uai, pai, parece que é um poema! Tem rima em algumas palavras...

Cecília descobriu que sua prosa é poética, meu amigo. Quer presente maior do que esse?

Para o ilustrador  Alexandre Rampazo, relato que o “Sol muito intenso” despertou, na pequena leitora, um outro olhar para a neta da Anita. Na verdade, foi a partir dessa imagem que minha filha passou a tocar, a sentir de forma mais intensa as cores da narrativa.

Aproveito para parabenizar ao Anderson de Oliveira, ao ilustrador  Alexandre Rampazo, a todos os profissionais da Mazza Edições!


"Ao ler este livro, você caminhará ao lado de uma criança bela, corajosa e sensível, fortalecida por sua ancestralidade, mas que também vivencia o racismo e a discriminação. Situações fortes e presentes na infância, esses desafios são identificados pela neta de Anita – filha do Sol – e, de maneira delicada, mas com o vigor necessário, serão enfrentados por meio da cumplicidade e do conhecimento." 
 - Mara Evaristo
 Detalhes:
22º título: A neta de Anita
Autor: Anderson de Oliveira
Ilustrador: Alexandre Rampazo

Editora: Mazza 
Foto: Leonardo Amorim /Eron Xavier

garimpo das bolhas de sabão é o quinto livro da minha carreira, chega com 20 narrativas curtas, que não são crônicas nem contos, mas ... “migalhas”

detalhe da publicação: trata-se de uma edição especial, tiragem com número limitado de exemplares.

curiosidades:  garimpo celebra os seis anos de escrita na rede (1) é o livro de estreia do selo cena cultural, coletivo da nossa quebrada (2) E será oficialmente lançado em julho, mês do meu aniversário (3). 
pré-venda/reserva: para garantir seu exemplar autografado, antes do lançamento, envie uma mensagem para um dos contatos abaixo:
@farelodequiat (Instagram)  
99275-5575 (WhatsApp) 




Em um dia propício, dois jovens que se conhecem, porém não eram amigos, se encontram na torre do sino da escola, com a mesma intenção: tirar a própria vida.

Violet é a garota mais popular do colégio vive uma vida dos sonhos, mas sofre com a perda recente de sua irmã.

Finch é um garoto invisível no colégio, conhecido apenas por suas diferentes formas de se vestir caracterizado. 

Os dois sentem uma conexão única. E através de um desafio feito pela professora de geografia, eles têm o objetivo de percorrerem os lugares mais incríveis do local onde moram. Isso faz com que os dois se aproximem intensamente, descobrindo que nem o amor é capaz de combater os sentimentos obscuros dentro de cada um. 


“Por lugares Incríveis” é um livro de 2015, entretanto, é extremamente atual a maneira como lida com todos os problemas dos jovens da atualidade; de modo que quem lê não se sente como um leitor e sim um dos personagens da história.

O livro foi a primeira publicação da autora Jenifer Niven e há uma possível adaptação cinematográfica para os próximos anos. Além disso, ele deveria ser lido por todos os adolescentes que amam esse tipo de literatura. 


Há tímido por toda parte. O sofrimento deles é representado de inúmeras formas. Em algumas situações, da infância à velhice.

– Filha, o senhor Wanderley está lhe cumprimentando. Você não vai dar um bom dia?

Nem boa tarde. Muito menos uma boa noite. Meio desajeitada, a garota levantava a cabeça e olhava para o porteiro da escola. Levou quase dois anos para lhe dirigir a palavra. Motivo? Timidez.

O tímido tem dificuldade para pertencer a quaisquer grupos. Eles encharcam as camisas, transformam as mãos em fontes trêmulas de suor, quando vão apresentar um trabalho na escola ou na empresa.

Ao receber um elogio sincero, ele rapidamente tem na sua face o mais vermelho dos vermelhos. Conhece alguém assim?

Por vias da circunstância, o tímido é o espelho da insegurança. Basta uma dupla se afastar para uma conversa em particular sobre qualquer coisa, o tímido pensar ser o assunto de tal prosa.

Luis Fernando Veríssimo, um dos maiores cronistas do Brasil, sempre demonstrou timidez nas entrevistas.

Clarice Lispector declarou algumas vezes que era uma “tímida ousada”! É possível imaginar isso de uma das musas da literatura?

E como seria o encontro de dois tímidos? Um desastre para ambos. Travam-se.

Contaram-me certa vez que Mia Couto, escritor moçambicano, em viagem ao Brasil, encontrou nos corredores da editora Companhia das Letras com o cantor e compositor Chico Buarque. Disseram-me que foi uma sucessão de tentativas, vários ensaios. Nenhum conseguiu render assunto. Muito sem jeito, tudo ficou em um “oi”.

O tímido sofre para fazer uma ligação telefônica e resolver assuntos aparentemente banais.   
Desconfio que a sensibilidade advenha das observações que regem seu “estar no mundo”.

Desconfio que a decisão de um tímido é mais sábia do que de uma “pessoa saidinha.” Antes das ações, ele tece possibilidades, reflexões.

Desconfio que há um tímido lendo as impressões deste cronista intrometido, mas que jamais vai me procurar para dizer que não é nada disso, que estou equivocado.

O tímido precisa de um tempo maior, diferenciado. Um tempo para aproximar. Ele é acanhado.

“Por conta da timidez, aprendi a beijar com os olhos”

Está lembrado do início desta crônica? Sabe aquela garota que gastou o maior tempão para cumprimentar o porteiro?

Em uma manhã dessas aí, ela despediu do pai, sacou a grana do lanche no bolso da mochila e saiu em disparada rumo à cantina da escola. Lá comprou a merenda sozinha. Voltou toda contente para a fila. SOZINHA. 

Comprar um lanche pode parecer a ação mais simples do mundo, mas para uma criança tímida, isso é sinônimo de grande conquista.

Talvez a garota não saiba, mas aquele foi um dos dias mais felizes para seu pai e sua mãe (essa também é muito tímida).

E depois daquela cena majestosa, fui motivado a escrever esta crônica com o intuito de propor aos extrovertidos a ideia de que um dia toda timidez será elogiada.

Você  já admirou um tímido hoje?   


Imagem disponível em: http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/como-ajudar-adolescente-lidar-timidez-743074.shtml
+