Meu baú de histórias, de Paulo Fernandes


Na manhã do último sábado eu e minha família tivemos a honra de adquirir o livro Meu baú de histórias, de Paulo Fernandes, na SCAL – Colégio Loyola (BH). Lá no stand da Cora Editora mesmo já pegamos o autógrafo. Também não perdemos a oportunidade de fazer uma foto para registrar o momento.

À tarde, Cecília, a menina do “Baú Vermelho”, após ler Meu baú de histórias do nosso amigo, gravou um vídeo sugerindo-o. Naquela altura, eu já tinha lido a narrativa duas vezes. Fiquei um bom tempo diante do tesouro e um filme veio a minha mente, desenrolando-se em cenários brilhantes, círculos de afetos, e imagens de eterna gratidão. Peço-lhe licença, caro leitor, ilustre leitora, para descrever (ou pelo menos tentar) um pouco do que senti (naquelas horas) e do que (re)vivo agora, escrevendo sobre o livro.


Para quem não sabe, o primeiro contador de histórias que minha filha mais velha conheceu foi o artista Paulo Fernandes. Tudo aconteceu na estreia do projeto “Livros em todo lugar”, no ano de 2013, lá na principal praça da nossa quebrada. Uma manhã de domingo que entrou de vez pra história.

Paulo Fernandes inaugurou o projeto nos presenteando com histórias, marcando de vez o interesse da Cecília por histórias. Tanto que na segunda edição, ela já tinha adquirido seu baú de histórias, inspirada nas aventuras e lições do contador. Mágico! 

De lá pra cá, Paulo Fernandes leu e indicou centenas de histórias no seu canal “Ler é criar asas”, um projeto magnífico voltado para crianças, professores, papais e mamães. Soma-se a essa iniciativa a contação de histórias em diversos espaços, a organização de rodas de leitura, entre outros eventos diretamente ligados ao universo da literatura. Quem convive com Paulo Fernandes sabe da paixão, do envolvimento, do amor que ele possui pelos livros.


(Meu caro, abrir o baú e saber que estou entre uma das pessoas a quem você dedicou o livro... deixou-me emocionado, engasgado mesmo. Tanto que fiquei sem palavras, pois não consegui agradecê-lo pessoalmente. Espero que com este post, eu consiga, viu? É a primeira vez, mano, que um escritor me dedica uma narrativa infantojuvenil. Não vou mentir: fiquei esfarelado de emoção, ... em estado de gratidão)   

Agora, Paulo Fernandes estreia na literatura, presenteando-nos com Meu baú de histórias. Convido-o(a) a  conceber esse baú como um tesouro, desses que ouvimos nas histórias de todos os tempos, ventos e direções. O que há no baú? Um pouco de lições?  Diversas emoções você vai encontrar lá. Para conhecer o mistério, bem,  é preciso abrir o baú.

Bem, mas depois de ler essa história, você verá que é preciso cuidar do baú, carregá-lo para todos os lados. Paulo Fernandes vem fazendo isso desde muito, muito tempo. Como assim? Você não sabe?  Num é? É verdade: o moço carrega um bauzinho, entre tambores e instrumentos de magia. Ah, tem mais:   o baú também está inscrito no seu corpo, ora! Agora, chega em forma de livro. Está pensando que é brincadeira?

Então, não fique de bobeira, adquira já seu exemplar! Meu baú de histórias traz uma narrativa leve, engraçada e muito prazerosa. Assim, como a Cecília e tantas outras crianças (e papais) vocês vão se encantar com o livro.

No próximo sábado, oh, tem lançamento! 



+