A semente

A loja estava cheia. Muitas fofocas em dia.
– Meu time tá arrebentando no campeonato!
– Amiga, esse tom não caiu bem pros seus olhos.
– Fica marcado para sexta, dia do casamento do meu neto.
– Você vai me deixar mais bonito?
– Nada desse negócio de moicano.
– Saia da frente que estou assistindo.

Fiquei assistindo às cenas naquele espaço de muitos espaços, relatos e histórias cruzando com histórias que um dia poderão cruzar a página de um livro.

Lá no cantinho humilde, perto da televisão, agora desligada graças a Deus), uma mulher lendo. Com a toca na cabeça e o livro diante dos olhos. A satisfação foi tanta que chamou a companheira que estava ao lado:

– Leia este aqui. De quem você lembra?

Eu não quis lembrar de nada. Fiquei curtindo a prosa alheia. Isso mesmo, de bico. Possivelmente, elas nem notaram meu interesse, pois o livro de poemas que liam e comentavam era muito mais interessante do que um bobo, anônimo, como este que lhe escreve agora.

Fui ao proprietário e ele explicou que o título apreciado pelas clientes era de uma poetisa, moradora antiga da quebrada. Bem, o moço comprou vinte livros dessa artista independente e os distribuiu para clientes; pessoas interessadas em leitura.

Depois dessa cena, comecei a trocar inúmeras ideias com o moço. Quem é ele? O Zezim do Salão, o primeiro comerciante a poiar este blog e todas as iniciativas culturais que desenvolvemos na quebrada. E foi assim, no espaço de um Salão de Beleza, que a cena de um poema sendo lido me motivou a criar o projeto Livros em todo lugar.

Por que relembrar essa cena lá de 2013?

Porque esse projeto nasceu como uma crônica, a partir da observação de uma cena linda do cotidiano: duas leitoras do bairro comentando em alto e bom tom poemas de uma moradora do Nacional.
Porque temos muita satisfação de dizer que, ao longo desses quase cinco anos já ultrapassamos a marca de 11.600 títulos em lugares diversos: padaria, açougue, praças, peças de teatro e supermercados

Porque no próximo sábado, 25/08, começaremos a escrever o segundo capítulo do projeto, inaugurando o Clube de Leitura da Quebrada.

Porque acreditamos na força da literatura, na importância da leitura para todas as idades. Lutaremos para que os moradores tenham acesso aos enredos, poemas, contos, crônicas, romances, a todos os lances da literatura.
Vamos que vamos!

... farelos por aí...




+