Entrevista com Roseana Murray


Olá! Olá! Este é o décimo post da série "Conversas sobre leitura". Encerrando essa primeira temporada, tive a alegria de entrevistar a poeta Roseana Murray.   

Roseana Murray
CSL: Quando você se descobriu leitora? Isso ocorreu logo na infância?

Roseana Murray: Fui leitora muito cedo. Assim que aprendi a ler. Minha casa era triste. Casa de imigrantes judeus. Então morava dentro dos livros. 'O Sítio do Pica-Pau Amarelo" foi onde passei a infância.

CSL: E a leitura de poemas? Sua infância e juventude contaram com muita poesia?

Roseana Murray: Não havia muita poesia na minha infância. Pouca poesia na escola também. Mas eu fazia aulas de declamação. Os poemas não ocuparam um espaço importante quando era criança.


CSL: É maio e você já fez um montão de coisas neste primeiro semestre. Gostaria que falasse um pouco do Projeto “Identidades: Atelier poético-psicanalítico”. Como está sendo essa experiência?

Roseana Murray: O Atelier Poético-Psicanalítico com o psicanalista William Amorim de S.Luis do Maranhão é um lindo encontro entre o acervo pessoal do leitor, a poesia e a psicanálise. Uma experiência nova para mim e muito interessante. É uma oficina de leitura e escrita.

CSL: Por falar em maio, nessa semana terá lançamento do seu mais recente livro, certo? 

Roseana Murray: Sim! Dia 10 (amanhã) será o Coquetel de lançamento do meu novo livro  “Poemas para Metrônomo e Vento”, no Babel Restaurante, do meu filho André Murray, em Visconde de Mauá (RJ). A editora é a Penalux e o objeto livro está lindo! Tenho muitos livros saindo e para sair neste ano de 2018.


CSL: Desde o primeiro contato com sua obra, na ocasião da homenagem ao livro “Fardo de carinho”, dentro do projeto “Livros em todo lugar”, venho trabalhando com seus textos em sala de aula, lendo-os em voz alta em saraus e, claro, compartilhando-os no blog. Entre seus títulos, destaco a obra “Jardins”. Infelizmente não posso levar meu exemplar para todos os lugares mais, corro sério risco de voltar pra casa sem ele (risos). Como foi trabalhar com o artista Roger Mello na composição dessa obra?

Roseana Murray: Fiz os poemas do “Jardins” e Roger Mello, apaixonado por flores, mergulhou profundamente. Foi divino trabalhar com ele e a Ed. Manati. Fizemos uma semana de lançamento no sítio do Burle Marx, em Vargem Grande.

CSL: Ainda sobre “Jardins”, como foi ter a quarta capa assinada pelo Manoel de Barros? Você chegou a conhecer o poeta?

Roseana Murray: Infelizmente não conheci o Manoel de Barros pessoalmente. Mas enviei o original para ele pelo correio e ele me respondeu com aquele bilhete lindo! Foi um grande presente.

CSL: Encerrando nossa conversa, aproveito para lhe agradecer por ter aceitado o convite. E gostaria que você indicasse para as mães dois títulos. Pode ser? 

Roseana Murray: Indicaria “As Pequenas Virtudes”, da Nathalia Ginzburg,  e meu livro “Poemas e Comidinhas”, livro de receitas e poesia, para fazer com os filhos”.





+