Primeiro soco: coragem (R)

Antes deste blog, houve uma época em que escrevia de forma voraz sobre vários assuntos. Registrava comentários críticos, recados, resumos, resenhas, relatos, às vezes, rolava até de discutir a relação com a própria escrita.

Era um caderno de 10 matérias, daqueles bem chamativos. Lembro-me de ter escrito uma narrativa considerável, dado o seu tamanho: 6 páginas inteirinhas. Eu acreditava ter escrito um texto artístico. Como acreditava! Pedi a um crítico para ler o tal texto.

No dia seguinte: nada.

No segundo dia: nada.

No terceiro dia: a crítica. Tudo. Nada.

Folheei as páginas. Nenhum comentário. Apenas uma pequena expressão (duas palavras) circulada de verde. Ele disse:

- Jogue o restante fora. Comece daqui, pois só esta parte presta.

Foi o primeiro grande soco que levei de uma crítica especializada. Ele destruiu o simples enredo para que eu construísse literatura. Depois de dois anos, enviei-lhe um conto cujo título era a tal expressão. Ele respondeu imediatamente.

- Agora, sim, você escreveu um texto literário.

Desconfio que essa expressão vai me acompanhar até o meu último dia por aqui. 



+