Farelo: se quiser saber...

Ah, hoje, resolvi contar umas poucas e boas que andam acontecendo comigo, desde a criação do pseudônimo. 

Primeira: em 2013, o Facebook me mandou diversas advertências, após a criação do perfil. Isso porque muitas pessoas pensavam que eu de fato não existisse. Fosse uma espécie de maluco em transe nas redes sociais..

Segunda: uma aluna, muito desconfiada por sinal, não acreditava que eu fosse o autor dos posts aqui no blog. Até que um dia, não aguentou e perguntou: é você mesmo que escreve aqueles textos, Alfredo? Para prová-la que sim, escrevi um mini-texto em cinco minutos. Nunca mais ela duvidou da autoria das postagens. 

Terceira: muitos dos amigos que não possuem um perfil nas redes sociais recusaram meu contato via e-mail. "Como pode alguém assinar umas coisas dessas?"

Quarta: não posso esquecer, é claro, da perguntinha insistente "Farelo de quê mesmo?" 

Quinta: "Você não acha que farelo não é nome de palhaço? 

E quer saber? Esse lance das confusões, interpretações e comentários acerca da minha assinatura artística só me enche de alegria.
+