Doce Infância


Ser pequeno é muito bom
É o que dizem por aí
“A inocência é um dom”
Só pra alguns né, peraí 

Não vim falar de exclusão
Muito menos preconceito
O problema é a ilusão
De que tudo está perfeito

Uma hora ela acaba
A vida anda, tudo passa
E então resta a saudade
Pra mim, mais uma maldade

Falo apenas de um amigo
Que recebeu um castigo
No natal, nunca ganhava nada
Todo ano, sempre a mesma carta...

Sua família o amava,
Mas o seu pedido
O dinheiro não comprava

Se contentava com a lembrança
E seus sonhos de criança
Conquistariam o mundo, dizia
Era o herói de sua família

Vivia acreditando em uma mentira
Pensando que a dor passaria
Ano após ano, o choro aumentava
Mesmo assim não desacreditava

Papai Noel era a esperança
“Só precisava de fé e confiança”
Era o que a mãe respondia
Mesmo sabendo que aquela estrela pra sempre brilharia


Arthur Henrique Caldeira Martins
+