Uma debate sobre leitura

Há uma frase que se repete em vários segmentos da sociedade brasileira. Ela carregou e ainda transporta uma parcela de verdade: brasileiro não lê. Não lê o quê? Não lê por quê?  Como explicar o interesse de grandes editoras europeias no mercado brasileiro? Será que alguém já parou para pensar nas cifras que permeiam as transações de compra/venda de uma editora? Como as editoras estrangeiras (algumas são fornecedoras de enlatados) conseguem colocar títulos e mais títulos traduzidos e impressos no próprio país com um preço mais em conta? Depois de tudo isso , questiono: será que o brasileiro lê pouco mesmo? Caros leitores, pesquisas e mais pesquisas comprovam que o mundo nunca leu tanto como agora.


Há quem diga que esse hábito ainda não faz parte da cultura de muitos brasileiros, então cabe a todos, inclusive aos adultos, um momento para (re)pensar o fato de que esse quadro vem melhorando de modo expressivo na nossa sociedade. Ficar atribuindo a culpa ao Governo não vai resolver o problema, entende? Pois é o Governo brasileiro que manteve (antes da crise) muitas editoras com as portas abertas por meio da compra de centenas, milhões de títulos didáticos e literários que, às vezes, ficam encaixotados nos cantos da biblioteca da rede pública. Lacrados, largados. Tesouros abandonados.  
Mudando de perspectiva, acredito que com pequenas atitudes e simples ações melhoraremos esse cenário da leitura em nosso país. Para ilustrar/animar  minha esperança, vou relatar uma prática que me encheu de alegria, recentemente.
Entre o intervalo de uma aula e outra, o professor de Educação Física do 6º Ano, o senhor Ricardo Glória, contou-me que uma vez por semana ele escolhe um livro pequeno, com uma única história, e lê em voz alta para seus alunos. Esses títulos ficam disponíveis na própria sala. Aos poucos, a turma tomou tanto gosto pela prática que agora são as crianças que sugerem as obras para leitura.
Com ações rápidas, breves, atitudes empolgantes como essa do professor Ricardo, avançaremos na proposta de um Brasil Leitor.

Farelos por aí.


+