100 mil visualizações

100 mil acessos! Na era do Youtube, do Instagram ou dos disparos do Twitter, esse número pode denotar um alcance mínimo. Se eu redigisse matarias sobre futebol, fofocas ou focasse nos escândalos políticos – sem dúvida – o número de visualização seria no mínimo multiplicado por 10; mas não é o caso deste blog. Nunca foi.

De um modo geral, aqui, tudo está associado ao universo da literatura. Ao longo desses 40 meses, o que mais escrevi foi resenha. Perdi a conta das obras literárias que indiquei, dos encontros registrados. Produzi relatos, contos, crônicas, poemas, críticas, ensaios e dezenas de depoimentos. Foram mais de 700 postagens (se considerarmos os textos excluídos) Não podemos esquecer, claro, do curioso fato de que redigi de modo ininterrupto nos primeiros 12 meses. (Uma loucura)

Nesse período, fui questionado diversas vezes: “Nossa, Alfredo! Como você consegue fazer tanta coisa?” Agora posso dizer a resposta:

– Encontrei muitas pessoas que acreditaram na filosofia do farelo (pseudônimo). Sem o apoio, a compaixão e o incentivo desse time, eu não teria chegado aqui. Como estão lembrados, Farelo de Quiat é também um anagrama, um embaralhado que resulta na frase: “Quieta, Alfredo!”. Como podem imaginar, eu não quietei.  

Reconheço que a lista de pessoas para agradecer é enorme, muitos ficarão de fora, infelizmente. Perdoe-me, por favor. E a primeira da lista é Leandra Pacífico, minha esposa e companheira, que além do apoio, foi sinônimo de paciência sobretudo naquele ano das postagens ininterruptas.

Agradeço ao artista Paulo Fernandes, o maior divulgador do blog de todos os tempos. Leu diariamente as postagens, comentou e compartilhou dezenas de publicações. Gratidão, meu irmão!

Agradeço ao brother Ícaro Pacheco Molinari, meu web designer. Sem suas habilidades técnicas e estéticas, meu caro, o site do Farelo não teria voado tão alto. Qual será será o próximo passo, campeão?! Valeu, parceiro!

Agradeço aos coordenadores de Área do Colégio Santa Maria, em especial, a professora Vânia Morais, com quem pude aprender muito sobre educação e a reconhecer o valor das artes visuais. Aos brothers Haroldo Costa e Tracy pela constante troca de ideias. Ainda no prédio da Diretoria Geral, faço questão de agradecer ao desenhista Eric Ricardo pelo apoio de sempre, pelas nossas prosas no corredor. Meus queridos, muito obrigado!
Livros em todo lugar
Uma das maiores conquistas deste espaço foi possibilitar a criação de outros laços, principalmente a alegria de conhecer pessoas magníficas como o poeta e contador de histórias Pierre André, o mestre Libério Neves (BH); o agitador cultural Túlio Damascena e a poetisa Águida Alves e toda e os Arautos da Poesia (artistas de Sabará), a educadora Zilda Pacheco (Pedro Leopoldo-MG), o poeta Sérgio Vaz (SP), o cordelista Fábio Sombra (RJ) e o escritor Caio Riter (RS). Foi via blog também que tive a oportunidade de entrevistar e conversar com os escritores Ademiro Alves (Sacolinha), da cidade de Suzano (SP) e Socorro Acioli (CE).  
     
100 mil acessos! Como se lê, tenho motivo de sobra para comemorar essa vitória, dividindo-a com todas as pessoas que leram pelo menos um texto publicado aqui: alunos, professores, amigos, conhecidos, parceiros e seguidores que ainda não tive a oportunidade de conhecer pessoalmente (no Brasil ou em outros países). E confesso: a vontade era fazer uma mega festa para celebrar o momento, mas não tenho condições para isso.

“Cada livro nos ensina a escrever o próximo”, afirmou o escritor Milton Hatoun. Recorro-me a essa citação para concluir esta postagem pra lá de especial. No momento – reta final das férias escolares – estou esboçando o futuro do blog, das novas tags, próximas parcerias e, claro, vislumbrando outros desafios.  
Um forte abraço,
Alfredo Lima    


+