Despedida, de Ferreira Gullar (1930 - 2016)

No final do mês de outubro, recebemos três caixas de obras literárias. No meio de muitas raridades, o projeto “Livros em todo lugar” foi contemplado com a primeira edição do livro “Barulhos”, do poeta Ferreira Gullar, falecido na manhã desse domingo  (03/12).

“De Ferreira Gullar pôde escrever Vinicius de Moraes que é o último grande poeta brasileiro. E é a última voz significativa da poesia, atalhou o nosso Pedro Dantas. Parece-me a mim, além disso, que, exceção feita de algumas peças de Mário de Andrade e também de Carlos Drummond de Andrade (mormente em A rosa do povo), é o nosso único poeta maior dos tempos de hoje”. [...] ... e a surpresa diante desse descobrimento casual foi o começo de uma exploração sem pausa do universo de Ferreira Gullar. Hoje sinto-me tão familiarizado com todos seus recantos que, para a singularidade e a importância de sua contribuição, só encontro de comparável, no Brasil, a prosa de Guimarães Rosa”, escreveu Sérgio Buarque de Holanda sobre o autor, na ocasião do lançamento do livro “Barulhos”.

Despedida
Eu deixarei o mundo com fúria.
Não importa o que aparentemente aconteça,
se docemente me retiro.

De fato,
nesse momento
estarão de mim se arrebentando
                       raízes tão fundas
quanto estes céus brasileiros.
Num alarido de gente e ventania
olhos que amei
rostos amigos tardes e verões vividos
estarão gritando a meus ouvidos
            para que eu fique
            para que eu fique

Não chorarei.
Não há soluço maior que despedir-se da vida.
GULLAR, Ferreira. Barulhos (1980-1987).
Rio de Janeiro: José Olympio, 1987. p.14. 
+