Alguma trouxona, algum talarico por aí

Encanto-me com a força das expressões. Tenho certa fraqueza pelo avanço dos termos que perpassam o discurso da rapaziada. Gosto de ouvir, entender e reproduzir as novidades por aí. A língua não envelhece. Transforma-se. Adapta-se. Enriquece nossas vidas.
O lance é simples: da Geração Coca Cola à Geração Netflix, muitas lições para aprender, ensinar e, até quem sabe, desaprender também.
Bem, chegando à reta final do ano letivo, não poderia deixar de lado algumas espécies muito presentes em nosso cotidiano. Sinto que certos tipos, que serão retratados nas linhas seguintes, saíram da ficção. São perfeitos em demasia. Daquele naipe que você vira e comenta:
– Uai, cê não existe de verdade, mano. 
– Pera aí,  cê saiu de um filme, ô criatura das trevas!
Mas não se engane, leitor. Não caia nessa, ilustre leitora. Elogios dessa natureza servirão tanto para o bem quanto para o mal. Preparado(a)?
A título de cavalheirismo, começaremos com as mulheres.
1. Trata-se de um grupo enorme, disperso em várias séries e níveis sociais. Aquele tipo de mina que aceita tudo, espera o sujeito, corre atrás...chora, deixa de sair com as "migas", fica remoendo as amarguras, encara uma série de bads... e tem a infeliz atitude de acreditar em tudo que o boy fala. De quem estamos falando? Trouxonas.
2. Ah, desde que o mundo foi formado pela relação de interesses, esse infeliz está por aí, infernizando nossas vidas. Antigamente, era conhecido como “Fura-olho”, “Traíra”. Mais recentemente, esse tipinho de gente também é tratado como “Raspa-canela”. A respeito de quem estamos conversando? Uma última dica: diz ser seu amigo, acompanha sua vida social/virtual e assim que descobre que você está a fim de uma garota, o sujeito vai lá e pega. Quem é essa figura? Senhor Talarico...mais respeitosamente, nomeado... Talarico Pé-de-Pano.
3. Se ficou assustada ou revoltado, recordando-se dos “talaricos”, saiba também que nesse universo dos falsianos de plantão, há um tipo bem preocupante. Aquele sujeito que paga de moderno, esconde porque esconde a todo custo sua bad. Em alguns casos, ao terminar um relacionamento, faz questão de ostentar sua solteirice, mas no fundo está se dando mal. Eis que lhe apresento o “Desapegado”.  

4. E o último tipo, não menos importante, mas para fechar a lista de vez, chego à espécie que mata muita gente de raiva. Verdade. Há quem diga que esse perfil é pior do que o famoso “galinha” – versão antiga de RD (rei delas). Você tem ideia de quem estou falando? Sem delongas, (re)apresento-lhe: OS INDECISOS, enrolam, enrolam o interessado, depois decide por outra.
É mole?    
+