Espalhando livros: presentes


Recentemente, tive a oportunidade de experimentar, mais uma vez, o prazer de ser um doador. Porque na maioria das vezes, dar é melhor que receber.

Há dois meses, uma amiga falou encantada do seu aluno Rubens Salvador. Ele está cursando no Ensino Fundamental. Segundo a professora, trata-se de um de exímio leitor. Disse também que, juntamente com a mãe, o campeão está montando sua biblioteca, porém ainda não tem condições de comprar os livros. E gostaria de saber se alguém poderia doar alguns títulos para o ilustre garoto.

– Eu posso. Eu quero. Vou doar – disse para mim mesmo.
Separei 17 clássicos da literatura, entre Machado de Assis e Miguel de Cervantes, Victor Hugo e Franz Kafka.  Foi o meu primeiro grande investimento na literatura: livros em capa dura, costuradas, com os títulos em dourado. Uma maravilha que fiz questão de entregar pessoalmente a esse ilustre leitor.

O Rubens, muito emocionado, recebeu com bastante satisfação a caixa com os clássicos. E me contou o seguinte:

– Professor, aprendi a ler com 02 anos. A minha mãe me colocava no colo e, bem devagarzinho, ia me apresentando as letras do alfabeto na máquina de escrever. E assim comecei a associar as letras, entendeu?
O garoto é uma espécie de prodígio. Fala com desenvoltura, pensa rápido e além de tudo é muito educado.

– Muito obrigado, professor, pelos livros – disse entrando na classe com a caixa nas mãos.

Na verdade, eu que tenho a agradecer a Deus por nos conceder força e entusiasmo para espalhar livros por aí. Satisfações como essa é que alimentam o projeto “Livros em todo lugar”
Parabéns, professora Rita Viana! Parabéns, Rubens Salvador!

Ubuntu.   
+