Na boca do estômago


“Nunca conheci quem tivesse levado porrada”, pois “meus conhecidos têm sido campeões em tudo”. Pensei que até aqui eu fosse um desses amigos, mas não.

Só nesse fim de semana, apanhei da companheira, primeiro. Ela desferiu dois golpes certeiros e, em poucos minutos, viu-me estirado na lona da realidade.“Acorde, seu imbecil. Vê se toca, malandro.” 

O soco foi tão forte que imediatamente procurei um gelo para esfriar minha consciência e esquentar minhas próximas decisões.

Depois foi a vez de um amigo: “Tu tá vacilando. Eu já disse pra largar mão dessa besteira de agradar curiango, cumpadi. Vá procurar tua reta, nego.”


Então? Pois é, levei muita porrada e nem por isso vou mentir, dizendo que sou o tal, entende? Putz! Mas tá doendo pra burro.   
+