Direto do porão



Aconteceu no último mutirão da limpeza de 2014. Sirlene, Stephanny e a amiga Luciana trabalhavam pesado na minha casa. Lá pelas tantas da tarde, Luciana virou para a garota de 13 anos:

— Stephanny, vá ao porão e escolha um livro para você. Depois escolha um para os seus irmãos.

Passou um tempo. A garota chegou com 6 títulos bem fininhos. Luciana continuou orientando-a:

— Quando chegar em casa, você vai ler para os seus irmãos esses livros, em voz alta. Um pra cada noite.

A menina agradeceu pelos presentes. A mãe acompanhou toda a cena, mas não emitiu nenhuma opinião.

Após algumas semanas, Luciana encontrou Sirlene. No meio da conversa:

— E aí, a Stephanny leu os livros?

— Leu. Leu sim. Do jeito que você falou. Mas aconteceu que...

— O que foi?

— Eu gostei tanto que depois peguei e também li em voz alta para os meninos. Até o maridão entrou na roda para ouvir.

— Que bom, Sirlene!

— Num é me gabando não, Luciana, mas pra ler em voz alta eu dou show. Pareço inté com artista de televisão. Stephanny tem muito o que aprender ainda.

O diálogo rendeu e confesso que fiquei emocionado. Depois que a Luciana, que é uma das colaboradoras do “Livros em todo lugar”, relatou essa experiência.

É isso. Aos poucos, vamos espalhando livros na quebrada.


+