A palavra mais estranha

No final da última noite, lancei uma simples pergunta para o meu ilustre Grupo de Leitores no Facebook. Gostaria de saber qual era, na opinião dos brothers, a palavra mais estranha da Língua Portuguesa. 

Curiosamente, ao ler tais vocábulos, muitas imagens surgiram na minha mente. Pois mais do que lê-los, sinto a necessidade de pronunciar essas palavras e de também associá-las com os leitores que participaram até o momento da enquete. 

Inevitavelmente, surge o humor, a reflexão, o riso gostoso da noite que amanhece em dias de arte. Por isso mesmo, faço questão de reproduzir todas as palavras (listadas até a hora deste post) indicadas pelo Grupo:

pedincha  — bariátrico — parassómnia — colportor —  tandem —  oxicoco — haruspicesmeleca — cueca neneca — "tudo junto" e "separado" — adistringente — fronha — pamonha — tristonha — estranha — esdrúxula — lambuzar — cônjuge — vitrola — vitrola — abstinência — catraca —  termostato — colírio — quati

Alguém deve ter se perguntado:
— Por que o Farelo quis saber qual é a palavra mais estranha da nossa língua?
Explico.... Respondo.... Foi a danada daquela escritora polonesa — Wislawa Szymborska — depois de ler, reler e entre-ler um dos seus poemas, quis compartilhar a beleza que há em tais versos com vocês, conhecendo também a estranha palavra de cada um. Agora, conheçam “As três palavras mais estranhas”, para Wislawa Szymborska:

“Quando pronuncio a palavra Futuro,
A primeira sílaba já se perde no passado.

Quando pronuncio a palavra Silêncio,
Suprimo-o.

Quando pronuncio a palavra Nada,
Crio algo que não cabe em nenhum não ser.”

E assim, nesse banquete de vocábulos estranhos, vamos (re)conhecendo a complexidade da vida.

Ubuntu


+