Com o fio de Cecília

Num se incomode não, nego; não se apavore, evapore, axe? mainha cuida direitinho com um carinho que vai trazer axé pro cê tê mais fé. E assim negruvá então se na língua iorubá... a língua tá inté pegando delírio nessa semana dedicada à poesia.   

Um poema, sem resquícios de esquema, traz no seu corpo o delírio dos indícios, inícios. É o oceano no limite de alguns versos...encantamento, transporta-nos para mares nunca dantes navegados. Hoje, à noite, a noite me encontrou em Cecília Meireles, e assim vou com o fio, nesse rico tear que é a literatura brasileira.



"No fio da respiração, 
rola a minha vida monótona,
 
rola o peso do meu cora
ção.

Tu n
ão vês o jogo perdendo-se
como as palavras de uma can
ção.


Passas longe, entre nuvens r
ápidas, 
com tantas estrelas na m
ão...
Para que serve o fio trêmulo
em que rola o meu cora
ção?”
+