Ária


Rios de paz correm da sua guerra. Esse filete de cor que deixou a Rua do Ramalhete me enche de vazios plenos. Nas suas curvas, o silêncio dança...

Um destino que se cruza com mil destinos em milésimos de segundos, nos próximos minutos do encontro para me desencontrar-me. Mar-te.

A poeira quase invisível é chama. Ela me chama. Não sei se é o ruído do carro, a alegria do esbarro. Eu sou o último do asfalto na falta do alto valor do seu salto...
                   S
               A
                   L
                     T
                        E  
                           I


+