A volta da neta de Clarice


Os enlatados norte-americanos entram na lista dos mais vendidos, fazendo muito barulho. Tais títulos literários explodem com grandes campanhas publicitárias; são traduzidos a preço de pão quente e mantém dezenas de editoras nacionais que, na maioria das vezes, pensam SOMENTE nos lucros.

Fica muito difícil concorrer com essas grandes xícaras de água com açúcar, dos livros apelativos aos filmes sensacionalistas pegando pesado, ao explorarem determinados assuntos de um modo barato naquele efeito lágrima-borra-maquiagem-e-tudo-bem-semana-que-vem-tem-outra-grande-estreia.

Desculpe-me, mas fiquei sensibilizada com o desequilíbrio emocional do parágrafo acima. Alguém tem lenço aí? Perdoe-me, seguidores assíduos do blog do Farelo, sei que ele não curte essa palavrinha “seguidor”, foi mal, querido.

Prometi a ele que não citaria o nome de nenhum livro desse gênero, pois a minha acidez feminina não pode ferir os princípios da pessoa que me liberou um dia na sua página. A questão é que ando meio bolada com essas latarias que não servem nem para reciclagem cultural, entende?

Venho a este espaço pela segunda vez. Reclamo, protesto e ainda vai ter gente dizendo ao Farelo que sou uma estressada, uma antissocial, mal amada. Ou pior, nem vão ter chegado aqui, neste parágrafo; não terão a coragem de curtir este post, compartilhar por aí a opinião de uma neta de dona Clarice. Será que perceberão que apenas o primeiro parágrafo é de uma autoria séria?

Voltando ao assunto da LITERATURA, queria só comemorar o fato de que há pequenas editoras, realizando o importante trabalho de colocar em cena autores de qualidade. Claro que para manter o perfil de mulher chata, não vou citar aqui o nome dessas empresas, faça-me o favor, bebê: apresente-me cinco pequenas editoras com títulos premiados, nos últimos cinco anos.

Farelo conclui alguns textos dele com “Farelos por aí...”. Eu.....


Migalhas aqui..... ...........

Imagem disponível em: http://static.tumblr.com/n1ub4jf/sNHm4y5jx/mulher_estressada_terra.jpg
+