Entre letras e cores

   

          Encontro-me na arte literária, reencontrando-me na tela infinita das palavras. Escrever um texto, uma frase, um verso por maior/menor que seja não tingirá o arco-íris que há nas impressões do Universo. Escrevo para existir além do real. Por isso, o fascínio pelas palavras, em especial, por aquelas que salvam.  

         Venho lhe pedir, querido(a) leitor(a), apoio, quero que torça por mim em mais uma travessura poética. Propus a um grupo de adolescentes o seguinte: cada jovem escolherá uma única palavra que o representa. Cada garoto(a) vai registrar esse vocábulo em uma folha de papel, fixada no mural de uma sala de encontros. Ainda nessa semana, eu vou pedir aos brothers para que falem um pouco sobre a sua íntima relação com a palavra escolhida.

         Na sequência, pretendo realizar uma espécie de performance com as palavras que eles escolheram. Quanto a essa encenação, não posso adiantar nada, provavelmente será de improviso. Conto com o seu apoio e sincera torcida. Estou louco para montar esse “Banquete de vocábulos”. 

Imagem disponível em: <http://cherryouth.com.br/2010/12/02/cultura-14>
+