Salão do Livro Infantil e Juvenil: descaso com alguns escritores

Como combinado, encerro a série de postagens sobre o Salão do Livro Infantil de Belo Horizonte, discorrendo um pouco sobre a configuração geral do evento. No meu passeio pelas ruas do Salão, não foi difícil perceber uma certa desarmonia na organização do espaço.

Se por um lado, os cartazes de autores como Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Morais, Mário de Andrade abrilhantaram o evento, por outro, estandes montadas de uma última hora deixaram um aspecto de desleixo. Com sinceridade, há estandes que oferecem o mínimo de interesse ao visitante.

O espaço destinado ao grande cronista Fernando Sabino ficou sombrio. Coitado do escritor que esperou por vários encontros, mas lá não havia sequer um profissional para nos receber. Certamente os fãs dele ficaram chateados com o descaso dos responsáveis pelo estande em sua homenagem. Eu fiquei.

Mas nada, nada mesmo se compara ao descaso com a alimentação. Apenas uma opção de lanchonete, que por sinal, não nada agradável: salgados passados, gordurosos, lá na vitrine “de hoje”. Não deu para encarar, mesmo com muita fome.

Agora, vamos aguardar o próximo evento e quem sabe a organização não seja melhor. Quem sabe?   
+